sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Não Sei Se Vai Embora

Pela primeira vez Eu senti o Peso
A água batendo no rosto
O espelho
O sorriso de lágrimas
Daquelas fases mais doídas De que ninguém gosta

Pela primeira vez Eu senti Falta
Do sul, das cobertas, da sua Casa
Do inicio do amor verdadeiro que eu Desisti,
Mas que não sei se vai Embora

                                            Alexx Albert

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Existência

por tanto tempo
achavas que faltava algo
achavas que algo assim 
não poderia ser mostrado
e o saber hoje é a libertação de um fardo
pois é aquilo 
e nos quilos que tem
todo o seu desejo de ser desejado

                                 Alexx Albert

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Falafel














Isso vai ficar para a eternidade.
Esse erótico,
Essa invasão que de repente parte.
Esse doce, pós almoço,
Esse gozo gostoso sem ser programado,
Esse malfalado em minha cabeça
Que sou eu.
Esse malfalado gozo e depois um Falafel;
Esse coentro, alho,
Esse gozo temperado,
Esse Falafel orgasmático.

                                               Alexx Albert (21/08/15)

terça-feira, 31 de março de 2015

Extraviada
















Eu estou cansada de várias coisas as quais não falo!
Estou cansada do trabalho de parto,
do ficar sozinha,
Limpando a cozinha e enchendo os pratos já limpos
De algum desaforo também engolido.
Estou cansada de terminar de limpar a placenta,
De ter de doar a minha Inocência.
Estou cansada de ficar desconfiada
E pedir por gentileza que me entregue o relatório de tuas indecências.
Estou cansada de meus filhos sendo usurpados,
Estou cansada de ser humilhada 
E aceitar essa desgraça toda
Estou cansada de ser eu
Quero um novo filho
Que me respeite
Que seja Meu!

           Alexx Albert

quarta-feira, 18 de março de 2015

Artistas

eu sei que não somos pessoas normais,
mas juntos,
artistas,
somos as contas de um colar,
somos exercícios exaustivos,
somos sonhos na cabeça de um menino,
somos fraude
artifícios de não ser aquilo que somos
mas sobretudo prazerosos
onde nos encontramos...

                      Alexx Albert

domingo, 15 de março de 2015

Pé de Cajá

Vem cá,
meu pé de cajá
Pega no meu pé
pega na minha cara
e viola o tempo
numa correria inefável
Faz o tempo passar
tão rápido e pequeno
até eu gritar de gozar
nesse almejo pleno de suor fresco
de fruta fresca
que madura caiu com o tempo...

                      Alexx Albert

domingo, 1 de março de 2015

Bom Dia

Astral 
Nupcial
Conjugal
Normal 
Anal
Anel Oral
De Manha!
De repente O Sexo muda o Moral do Dia
E ele acorda Muito Mais cheio de Poesia


                                            Alexx Albert

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Batatas

O Amor não precisa palavras,
Precisa gestos.
Precisa juntar os restos e montar de novo
Quando algum precisa de um consolo.
Batatas
Meu caros Srs. franceses;
O que temos
São batatas...

                                   Alexx Albert

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

O Já Passado

Sei que este Senhor é velho
E precisamos um teto para abrigá-lo
Sei que ele às vezes demora
Outras vezes vai tão depressa
Que nem presta lembrar dos momentos
Que ousamos tentar domá-lo

Sei que é bom deixá-lo ir embora
Sei que é bom deixá-lo.
Sei que é bom
Embora inevitável
Não pesar os seus ponteiros
Nem o já passado...



                         Alexx Albert

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Ardente Urbe

O coração está em frangalhos
Nessa urbe de tarados
E a vida é tão corrida
Complicada
Que há momentos em que se tira a paciência do caminho
E se afoga 
Em uma ardente água!

                                        Alexx Albert

sábado, 14 de fevereiro de 2015

Amor Incerto

Quero tudo Lindo
Tudo indo pro lugar Certo
Tudo na medida de um Banho e Janta
E esperar na Cama
O caminho de um Carinho Erótico
Ou de um Amor Incerto

                                   Alexx Albert

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Mesmo Louca

Ultimamente a vida tem vivido por mim
Ela comenta a minha fome
Pra me lembrar que quem tem fome come
Ela anda vivendo por instintos
Fechando ou abrindo os ciclos
E anda louca por algum motivo
de desabrochar os desvairados e os seus motivos
De fazer coisas sem equilíbrio e chamarmos elas de Ana
Embora deveria ser Maria Primeiro
Afinal de contas, essa Ana é louca Mesmo!

                                                         Alexx Albert

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Mundos

As meninas Ruivas
Soltas nas ruas
Nas palavras nuas e enrustidas
Estão escondidas em métricas intrometidas
Na minha querida terra Sulista!
Nos meus olhos, 
Na imaginação dessas palavras
Como se fossem canção
Formam poemas 
Na esfera de um coração
Com palavras que admiram
Seu mundo plácido 
E seu mundo cão!

                       à Jeanne Geyer e Meri Pellens
                               Alexx Albert

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

O ofício

Aqueça seu corpo para encostar no meu,
Aqueça sua voz para falar em meu ouvido que ecoa,
Traga seus livros e me mostre um novo caminho.
Eu abro meus olhos pela cortina
E a boca é sua:
-Solte seu texto, mostre o ofício!

                                         Alexx Albert

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Campeiro

ainda pequeno em viola era menino.
ainda pequenos os dedos nas dez, doze ou seis cordas.
ainda pequeno o inteiro fruto de ouvido ligeiro;
absoluto é hoje,
é isso,
infrutescência de um talento nato, coeso,
um violonista,
um violeiro,
um homem simples,
campeiro...

                                  Alexx Albert

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

VER II

não espero um terno
ou um pé perfeito
não espero o tempo que for preciso por um beijo
as  vezes o tempo cansa
faz cansar a esperança
desapaixona a lembrança quase esquecida
esqueço-me quase que por completo do cheiro
e nem me lembro da dor fulminante antes sofrida
ela vai assim tao leve
dissolvida
me traga seu cheiro novamente
me faça algo que me contente
o toque todo 
em todas as partes
desse corpo ardente...

                            Alexx Albert

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Árvore Humana

Que a esperança sobressaia da raiz,
Que seja seiva
E tenha força bruta
Para alimentar o tronco
E que deixe expelir pelos cabelos,
Coroa,
Toda a forca de sua essência
Em sementes de chia, papoula
E nos traga ar a Clorofila 
Para uma nova mudança
E que a chuva
Seja alegria e dança...

                                                  Alexx Albert